segunda-feira, 27 de julho de 2009

Fim de Semana em Grande!!!!!

Olá a todos

Este fim-de-semana foi espectacular. Tive a minha primeira cliente. E logo no Algarve. Espectacular!!!

Na 6ª feira ao fim do dia estava um pouco desanimado. Tinha recebido um email de uma senhora inglesa. Queria marcar um encontro em Lisboa. Trocámos dois emails mas depois não tive mais noticias...

Sábado de manhã acordei cedo para ir à praia.

Mas antes, ainda com os olhos entreabertos, vou ver o email.

Novo contacto de uma senhora inglesa (acho que estou com sorte com as inglesas, penso eu...).

Vinha para o Algarve ainda no sábado e queria jantar comigo. Tinha reserva no hotel da Quinta do Lago para o fim-de-semana. Ia estar no computador até à hora de almoço. Caso eu não respondesse até ao meio dia pediu-me para ligar para o hotel a partir das 18 horas.

Claro que respondi logo ao email. Perguntei qual o programa que tinha em mente.

Disse que queria jantar e talvez sair para dançar um pouco, se não estivesse muito cansada.

Concordei. Perguntei se tinha algum restaurante em mente ou se queria que fosse eu a escolher. Deixou essa tarefa para mim. Fiz reserva para 2 no Amadeus, perto de Almancil, para as 20h30 e combinei encontrar-me com ela no lobby to hotel às 20 horas.

Pensei ir ainda à praia ao Guincho como planeado e ir para o Algarve apenas ao fim da tarde. Entretanto lembrei-me que tenho um amigo em Vilamoura com quem já não falo há algum tempo. Liguei-lhe a perguntar se tinha planos para o dia. Ia à praia com umas amigas. Óptimo, digo eu, vou ter convosco.

Assim fiz.

Antes das 13 horas estava na praia da falésia, em Vilamoura.

Após uma bela tarde de praia, por volta das 18h30 perguntei se não queriam ir embora. É que tinha um encontro às 20 horas...

O meu amigo e as amigas logo a querem saber quem era o que era. É claro que não lhes contei...

Entretanto um nervoso começa a apoderar-se de mim à medida que se aproxima a hora do encontro. Esse nervoso tinha aparecido pela primeira vez de manhã quando o encontro ficou confirmado, do tipo "E agora? O que faço?", mas a tarde descontraída de praia tinha feito desaparecer. Agora tinha voltado...

Às 19h55 estava eu impecavelmente arranjado, em estilo casual desportivo, no lobby do Hotel Quinta do Lago. Lembrei-me que não tínhamos combinado forma de nos reconhecermos, mas também achei que não seria preciso. E não foi.

20 horas em ponto. Ela chega. Linda. Não a beleza de uma modelo de 20 anos. A beleza de uma mulher de classe, requintada, decidida, dona de si. É claro que nunca lhe perguntei a idade. Devia ter perto de 50, mas aparentava pouco mais de 40. Mas que 40...

A sério que me senti orgulhoso que poder partilhar uma noite com aquela pessoa. Assim que a vi acreditei que ia ser uma noite memorável.

Tinha pedido ao táxi para esperar. Fomos jantar.

Eu sou mais de bifes mal passados. Ela de peixe e salada. Foi o que pedimos. Bebemos vinho. Falámos, falámos e falámos...

Falou do casamento fracassado, dos filhos, dos negócios que corriam bem (ligados à indústria farmacêutica).

Falámos do Algarve, de praia, de relações, de música, da vida. Ela estava bem disposta. Eu também.

O tempo foi passando. Era quase meia-noite quando saímos do restaurante. Perguntei se a noite tinha terminado para nós. Ela olhou para mim (com o que me pareceu um olhar maroto) e disse que queria ir dançar. Fomos ao T-Clube.

Bebemos champanhe e dançamos. Pouco falámos aqui. Ela estava bem e isso para mim era o mais importante. Eu também estava.

Agora enquanto escrevo pergunto-me se alguém teria reparado que eu era um escort e ela uma cliente. Acho que não. Não sei. Não interessa.

Uma coisa começava a preocupar-me. E se ela quisesse mais alguma coisa? O que faria eu?

É que eu tinha estabelecido para mim que entrava nisto sem sexo. Mas também não sabia até que ponto isso para mim era assim tão importante. Ia deixar andar. Mas acho que naquele momento estava já a desejar que ela quisesse...

À uma da manhã saímos do T-Clube.

Ao chegar ao hotel ela disse que sabia as regras que eu tinha colocado, mas perguntou se queria subir ao quarto e beber mais um pouco de champanhe. Aceitei logo. Não precisei pensar.

Assim que entrámos na suite beijei-a. Ela beijou-me. Beijámo-nos. Fizemos amor. Dormimos juntos, bem agarrados.

De manhã acordei com o pequeno-almoço já à minha espera na varanda. Ela estava a apanhar sol.

Não aguentei. Trouxe-a ao colo para a cama e fizemos amor novamente.

Depois do pequeno-almoço senti que tinha que sair dali rapidamente. Estava a perder o controlo. Despedi-me. Sai. Vim para Lisboa.

Vou pensar sobre isto tudo nos próximos dias...

2 comentários:

  1. Muito interessante. Falta o mais relavante para as Portuguesas: quantas horas cobrou?

    ResponderEliminar
  2. Eu não gosto de entrar de entrar em pormenores financeiros aqui no blog, porque acho que corta o clima...

    Mas tínhamos acordado inicialmente 2 horas e acabei por cobrar 4.

    Uma coisa é certa, não ando com cronómetro a contar os segundos....

    Bejinhos

    ResponderEliminar